Pesquisa

MAIS LIDOS
50 milhões de anos no Cabo Mondego
  O Cabo Mondego constitui o maior afloramento do Jurássico…
Caminho do Xisto das Aldeias de Góis
Chegados a Aigra Nova estacionámos junto ao Núcleo da Coirela…
Os 5 Blogues mais influentes de Coimbra
As Minhas Receitas, de Joana Roque Joana Roque é um…
Coimbra 4 Kids
A fama de cidade universitária e intelectual de Coimbra é…
Praia Fluvial N. Sr.ª da Piedade
A Praia Fluvial da N. Sr.ª da Piedade é o…
Praia de Buarcos
O amanhecer devolve-nos os rochedos e o areal que a…
Praia Fluvial de Palheiros e Zorro
Entre Coimbra e Penacova, em pleno maciço marginal de Coimbra…
Praia de Mira - A melhor praia do mundo
Desde há 30 anos que a Praia de Mira recebe,…
O maior e mais luminoso areal
Localizada em plena cidade da Figueira da Foz, a Praia…
Rituais do Doutoramento Honoris Causa
O grau de Doutoramento Honoris Causa surge publicado, em 1918,…
O "Mata-Frades"
Quem chega a Coimbra, pela Ponte de Santa Clara, é…
Centro Doc. 25 de Abril
O Centro de Documentação 25 de Abril (CD25A) é uma…
Academia Briosa
“Briooooosa!” – ouve-se o grito nas bancadas dos jogos de…
Os Herdeiros da Praxis Cervejeira
  Antiga Cerveja de Coimbra O Legado     Em…
Leprosaria Nacional Rovisco Pais
  Em 1938, perante a rápida evolução da Doença de…
Siga-nos no Facebook

Newsletter

Última edição (n.º 17)


Edições Anteriores
Newsletter n.º 16
Newsletter n.º 15
Newsletter n.º 14

50 milhões de anos no Cabo Mondego

 

O Cabo Mondego constitui o maior afloramento do Jurássico da Europa, conservando registos desde a idade Toarciana. Este monumento geológico reconhecido internacionalmente pelas suas características únicas, está situado na Serra da Boa Viagem, em Quiaios, concelho da Figueira da Foz.


Os registos geológicos presentes no local correspondem a um intervalo de 50 milhões de anos (aproximadamente entre os 185 e os 140 milhões de anos), no qual é possível observar alguns dos principais episódios da história geológica do planeta Terra, remontando ao período Jurássico Médio e Superior.

As rochas carbonatas, margosas e calco-margosas jurássicas e cretácicas aqui presentes atraíram desde cedo o interesse da indústria.

A exploração de carvão mineral nesta área iniciou-se por volta de 1773 no Couto Mineiro, por ordem do Marquês de Pombal e sob orientação de Domingos Vandelli e Guilherme Elsden, tendo sido esta uma das minas mais antigas do país. Os trabalhos encerraram no final de 1960.

Aqui se encontram as pegadas de dinossauros mais antigas de Portugal (megalossaurídeos – espécies bípedes e carnívoras), primeiramente descritas em 1884. Estas foram descobertas pelos trabalhadores da mina. Foi informado o Museu Mineralógico e Geológico da Escola Politécnica de Lisboa, que ali existiam fósseis e procedeu-se à investigação que revelou achados de valor inestimável.

No Cabo Mondego é ainda possível observar fósseis de bivalves, plantas, peixes, corais e amoóides, entre outros. Aqui se descobriu um fóssil de planta que deu origem a uma nova espécie vegetal – a Baiera Vianna.

No início do séc. XIX, e até março de 2013, instalou-se a indústria da cal hidráulica que ocupou cerca de 58 hectares, e operou com três pedreiras.  

Encerradas a mina e a fábrica, o povo de Quiaios voltou a sonhar com uma ligação rodoviária até à Praia da Murtinheira, pela costa, e com uma homenagem aos mineiros e operários que tornaram o Cabo Mondego famoso.

A memória do cheiro a cal é  uma das principais recordações de infância de muitos dos habitantes da zona.

O recinto da antiga hidráulica é visitável, mediante assinatura de consentimento informado.





 

Siga-nos no Facebook
Subscreva a Newsletter


 

Ler 1506 vezes

Deixe um comentário

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Facebook

PRÓXIMOS EVENTOS

Agenda

loader

Bem-vindo a Coimbra

You must have the Adobe Flash Player installed to view this player.