quarta, 16 dezembro 2015 10:14

Entrar em MMXVI no HD | Duecitânia Design Hotel


Localizado em Penela, o HD | Duecitânia Design Hotel convida-nos a um Programa de Ano Novo à boa maneira romana, ou não fosse este o povo responsável pelas comemorações do Ano Novo no dia 1 de Janeiro.

 

Veni, Vidi, Vivi

“Chegar, Ver e Viver” é o mote daquele que é o primeiro hotel temático da região. Não obstante a sua inspiração na Antiguidade Clássica, o Hotel é recente e comemora este mês 3 anos de existência.

Foi no espaço de uma antiga fábrica de papel e fio de lã, que se deu a junção entre o design atual e a inspiração clássica. O resultado despontou numa visão contemporânea de Roma, na desconstrução dos símbolos do Império e na recriação de novas formas de o viver e sentir.

O facto de se encontrar fora dos grandes centros urbanos, é a sua maior vantagem, tornando-se num retiro na natureza e cultura. A partir de Coimbra, a viagem demora cerca de 30 minutos, e pelo caminho vamos deixando para trás as Ruínas de Conimbriga, uma paisagem de pinheiros mansos aveludados, e o Castelo da Vila de Penela, até descermos ao vale do Rio Dueça.

 

O Hotel dos 8 Elementos

Sendo o octógono um dos símbolos de perfeição utilizados pelo povo romano, também do HD | Duecitânia Design Hotel se destacam 8 elementos diferenciadores: o Hotel Design, o Restaurante Gustatio, o Bar Tabernae, o Spa Aqua Vénus, o Rio Dueça, os Produtos Endógenos, o contexto histórico-arqueológico, e a visão sustentável de futuro.
 


O Hotel Design procurou manter-se fiel à arquitectura inspirada na Villa Romana do Rabaçal, adaptando-a a modelos modernos de design, sem descurar o passado do edifício enquanto fábrica de papel e lanifícios. As linhas são geométricas e minimais, os materiais nobres como os mármores e as pastilhas de vidro, as cores fortes e imperiais – o vermelho, o preto, o cinza e o dourado.

Na recepção, somos desde logo cativados pelo majestoso painel de pequenos mosaicos vindos de Itália, cheio de apontamentos e simbologia histórica, bem como pela imponente Coluna de Trajano.
 


Em cada piso, uma fase do Império Romano – a sua formação, o seu apogeu e, finalmente, a sua decadência.

No 1º piso, a cor predominante é o imperial vermelho bordeaux, em associação com o período de franca expansão da agricultura e agro-pecuária, utilizando o porco e a pinha como símbolos principais.
 


No 2º piso, os anos áureos do Império são representados pelo cinza e dourado, as cores do exército e do ouro, e o símbolo escolhido é o busto do Imperador Nero.
 


Por último, no 3º piso, o declínio da civilização romana surge-nos, paradoxalmente, em tons de verde esperança. Aqui a simbologia é abstrata e fragmentada, anunciando o fim de uma era.
 



Em todos os quartos, as casas de banho estão decoradas com padrões de constelações, evidenciando a forte ligação dos romanos à astronomia.
 

No Restaurante Gustatio, podemos esperar uma fusão entre a gastronomia romana e regional. As especialidades da casa são Dourada Lucrino, Pato de Apicius e Naco do Rabaçal. A acompanhar, como um bom romano, vinho aromatizado Encosta da Criveira ou hidromel Lu Citânea.
 


O Bar Tabernae, outro dos conceitos diferenciadores do HD | Duecitânia Design Hotel, é um dos espaços reminiscentes da antiga fábrica, onde existia uma máquina a vapor e uma nora. Transformado à semelhança de um templo romano, o Tabernae recebe muitas vezes concertos de música ao vivo.
 


O Spa Aqua Venus constitui uma reinvenção dos Thermae romanos. Sob a égide da deusa do amor e da beleza, aqui podemos usufruir de massagens e envolvimentos (como a “Tríade de Junho” e o “Mediterrâneo”), duches e banhos, sauna e jacuzzi.
 


A natureza é o leit motif que envolve todo o Hotel, desde o Rio Dueça que aqui corre e que empresta o nome ao hotel (“Due”+”Citânia” – “Terras do Dueça”), ao bosque circundante.
 


A entrada para o hotel dá-se por uma ponte sobre o Rio Dueça, e não é por acaso – os romanos foram pioneiros na construção de pontes sobre os rios.
 



Nos jardins frescos, passeiam póneis e cavalos, e terá sido, segundo a mitologia romana, o cavalo alado Pégasus que com um coice deu origem à Fonte de Hipocrene, ali no centro do jardim.
 



Apesar do frio, a Piscina Biológica seduz-nos a mergulhar com os seus tons de azul real e verde menta. As águas do Dueça fazem um movimento contínuo de decantação por dois lagos adjacentes, coroados de rosmaninhos – uma das ervas aromáticas preferidas dos romanos.
 

No HD | Duecitânia Design Hotel, os produtos endógenos são cuidadosamente valorizados, quer em fins decorativos, em souvenirs, na confeção dos pratos ou no spa. A região de Sicó é generosa para com o hotel, assim como já o era no tempo dos romanos, fornecendo mel, azeite, ervas aromáticas, vinho, nozes e, o famoso queijo da região - o Queijo do Rabaçal. É tido como certo que o azeite aqui produzido seria exportado para Roma, nos tempos do Império.
 

A sustentabilidade é uma das preocupações do hotel, que prevê a construção de um projeto de Quinta Biológica que albergará animais e que fornecerá o próprio hotel e restaurante. Para além disto, a muito curto-prazo será produzido azeite a partir das oliveiras existentes na propriedade da “Quinta da Fábrica”, e a mata envolvente será preparada para a prática de trilhos.
 

O contexto de vestígios da cultura romana na região de Penela e arredores favorece e reforça a existência deste hotel temático. O Museu e Ruínas de Conimbriga, a Villa Romana do Rabaçal, e um pouco mais distante, o Museu Nacional de Machado de Castro, são locais de visita essencial para complementar a estadia e viagem histórica que o HD | Duecitânia Design Hotel proporciona.

 

Programa de Ano Novo

 

Menu do Jantar de Gala



Consulte os pacotes e condições aqui.

 

Reservas:

reservas@duecitania.pt

www.duecitania.pt

Telm. +351 939 499 559 Telf: +351 239 700 740 Fax: +351 239 700 741

Ponte do Espinhal | 3230-292 Penela | Portugal

 

Como chegar:

Vindo do Porto (ou de Lisboa), sair na A1 para Condeixa e entrar na A13 até à saída para Penela.

Vindo de Lisboa, poderá ainda optar pelo trajeto mais curto, saindo na A1 para a A23 sentido Torres Novas e na A23 sair para a A13 sentido Tomar/Coimbra. Seguir na A13 até à saída Penela.

Coordenadas GPS: 40º 01' 23.1'' N, 8º 22' 28.3'' W

 

Roteiro turístico complementar:

Penela Presépio na Vila de Penela

Museu e Ruínas de Conimbriga

Villa Romana

Castelo do Germanelo

Cascata da Pedra da Ferida

Serra de Sicó

Queijarias do Rabaçal

Museu Nacional de Machado de Castro

 

 

Deixe um comentário

siga-nos no facebook

Siga-nos no Instagram

Pesquisar

Atividade no Facebook